Filosofia

A arte marcial do Tai Chi Chuan está contextualizada no taoismo filosófico, que prima pela integração do homem às leis da natureza. 

Observando a vida na natureza, os sábios chineses perceberam que há uma harmonia dinâmica, um fluxo ordenado e natural que permeia todos os fenômenos. Os animais seguem seu instinto para a sobrevivência e reprodução, as plantas naturalmente crescem e se desenvolvem, o dia e a noite seguem-se constantemente, assim como as quatro estações. A natureza age em conformidade com as forças polares de Yin e Yang em uma equivalência recíproca. O Sol tem a sua predominância na fase Yang e ativa do dia e a lua predomina na fase Yin e passiva que é a noite. Isso é o Tai Chi, a fonte de harmonia universal que provém do Dao, o absoluto.

Os sábios perceberam que aqueles que viviam de acordo com esse ciclo alcançavam longevidade, saúde e prosperidade. Criaram então a prática do Tai Chi com o propósito de se alcançar o verdadeiro equilíbrio através da união com a energia da natureza. Isso se dá a partir de movimentos suaves, percebendo-se a dinâmica da energia e a sua manifestação no corpo. A mente permanece serena, livre de julgamento e atenta ao ritmo dos gestos. A respiração suave e profunda ajuda a acalmar a mente e a estabelecer um padrão saudável de pulsação com o corpo.

Desse modo, a prática do Tai Chi Chuan leva o homem ao estado de equilíbrio pleno “Tai Chi”. Praticando com regularidade, sua saúde é revigorada, a mente se torna menos turbulenta e mais focada.